Não, o mundo não vai acabar em setembro de 2015

stayonearth10

Se você faz parte de listas de discussão ou faz pesquisas sobre eventos solares, política imperialista e afins, já deve ter visto o alerta para “um evento monumental de proporções globais” que deve acontecer na Terra em setembro deste ano.

Pode até ser que aconteça algo como um grande evento econômico ou político ou algo parecido, mas não será o fim do mundo. Até porque, depois de analisar as razões que levaram essas pessoas a concluir que esse evento irá ocorrer, dá para perceber que há muita forçação de barra. Aqui vão alguns exemplos de argumentos usados para sustentar essa falsa previsão.

Argumento 1: Segundo o vídeo abaixo, “uma fonte” afirma que um cometa ou meteoro vai se chocar com a Terra no dia 23 de setembro. Esse cometa teria 2,5 milhas de largura e faz barulho. O cometa 67P, no qual a sonda Philae pousou em novembro do ano passado, tem 2,5 milhas de largura e faz barulho. Logo, conclui, trata-se do mesmo cometa e ficaria fácil entender por que a sonda pousou nele. Segundo a teoria, o cometa cairia em algum lugar no Oceano Pacífico, próximo da costa nordeste da América do Sul. Esse cometa foi descoberto em uma foto tirada do dia 11/9/1969, dia de eclipse solar e uma data importante do calendário judaico, além do dia em que a União Soviética fez um teste nuclear.
Resposta: Tá, mas e daí? É muito fácil pegar um dia no calendário e ver tudo o que de significativo aconteceu nesse dia. Isso não quer dizer nada. E, mais importante: o cometa 67P não estará na rota da Terra em setembro deste ano. Além disso, “uma fonte disse” é muito vago para se tirar conclusões.

Argumento 2: O Papa vai visitar a Casa Branca em 23 de setembro.
Resposta: Apenas uma coincidência. Certeza que o Vaticano tem seus próprios bunkers para o caso de algum evento global. O Papa e o Obama podem até anunciar algo juntos, se for o caso. Mas não é o fim do mundo. Aliás, o Papa vai participar da Assembleia da ONU.

Argumento 3: A 70ª Assembleia da ONU acontecerá de 15 a 28 de setembro, sendo que a ONU completa seu 70º aniversário no dia 25 de setembro.
Resposta: Isso também não quer dizer nada. Há a possibilidade de que haja uma proposta para a criação de um Estado Palestino.

Argumento 4: Um exercício militar conhecido por Jade Helm está programado para terminar nos EUA em 15 de setembro. Ao mesmo tempo, várias lojas Walmart estão fechando suas portas (muitos pensam que serão usadas como campos de relocação de pessoas). Já no Canadá, seria a vez do exercício militar Maple Resolve, que aconteceria ao mesmo tempo do fechamento de várias lojas Target.
Resposta: O Maple Resolve já aconteceu de abril a maio deste ano. Tanto esse exercício quanto o Jade Helm acontecem todos os anos. Já o fechamento das lojas não tem por que estar relacionado com os exercícios militares. É muito mais provavel que se deva a uma crise econômica, já que Sears e JCPenney também estão fechando muitas lojas.

Argumento 5: Um desenho dos Simpsons aponta 22/9 como momento do Arrebatamento.
Resposta: O desenho dos Simpsons já mostrou antecipadamente vários fatos reais. Mas, neste caso, ele não mostra uma data, e sim um número aleatório: 92200. Querer relacionar isso com a data do Arrebatamento é forçação.

Argumento 6: Setembro é o fim do ano Shemitá. Segundo a Torá, Shemitá é o descanso da terra da agricultura a cada sete anos. Assim, durante o ano Shemitá, os israelenses não podem lavrar a terra. Além disso, o último dia antes do fim do ano Shemitá é um dia em que os credores devem perdoar as dívidas. Esse último dia do ano Shemitá está historicamente relacionado a crises econômicas. O último dia do ano Shemitá de 2001, 17 de setembro (Elul 29 no calendário hebraico), foi o dia em que o mercado de ações americano abriu depois do 11/9. Aquele dia, a Dow Jones caiu 7% ou 684 pontos, a maior queda em pontos em um só dia na história de Wall Street. Esse recorde só foi superado no último dia do ano Shemitá seguinte, 29 de setembro de 2008 (também Elul 29 no calendário hebraico), em que a Dow Jones caiu 777 pontos (recorde até hoje). Anos Shemitás anteriores também teriam sinalizado o início de mudanças financeiras. O último dia deste ano Shemitá será 13 de setembro de 2015 (também Elul 29 no calendário hebraico), então alguns esperam um grande acontecimento financeiro para este dia.
Resposta: De fato, esses dados são comprovados. Podem ser apenas uma coincidência, ou será que essas quedas na bolsa americana se devem a um “perdão de dívidas” por parte do povo israelense? De qualquer forma, neste ano, 13 de setembro cai em um domingo, um dia em que as bolsas não operam. Mesmo que as ações caiam dia 14, se não for uma coincidência, será, no máximo, mais um grande evento da bolsa americana, que pode gerar mudanças financeiras mundiais.

Conclusão: não há motivo nenhum para pânico, mais uma vez. Nada realmente de efetivo que faça acreditar que um evento de proporções globais vai acontecer em setembro de 2015. Haverá eventos importantes, como Assembleia da ONU, visita do Papa à Casa Branca, etc. Mas, definitivamente, não é o fim do mundo, certo?

Autoridades dos EUA dizem não ter provas que liguem Rússia à derrubada de avião

Oficiais do alto escalão do serviço de inteligência dos Estados Unidos afirmaram nesta terça-feira (22) que não há provas evidenciando a participação do governo da Rússia na derrubada do Boeing-777 da Malaysia Airlines, há uma semana.

Para os agentes norte-americanos ouvidos sob anonimato pela agência AP, a aeronave comercial com 298 pessoas a bordo foi abatida por um míssil terra-ar modelo SA-11 disparado por membros do grupo separatista pró-russo – provavelmente “por engano”, segundo crê um dos oficiais.

A hipótese de erro humano por parte dos separatistas é apoiada no retrospecto recente do conflito: 12 aeronaves militares ucranianas foram abatidas recentemente na região pelos grupos anti-Kiev, segundo dizem os oficiais.

Conforme relata a AP, o serviço de inteligência dos EUA continua a acreditar que Moscou “criou as condições” que levaram ao incidente. No entanto, não há qualquer evidência da participação direta de Moscou: não há notícia da presença de militares russos durante o lançamento do míssil ou informações sobre treinamento oferecido pela Rússia para a equipe que disparou o projétil.

Um dos funcionários do governo norte-americano disse ainda que os EUA não sabem nem o nome nem a posição do autor do disparo – “nem estamos 100% certos de que haja uma nacionalidade”. Segundo ele, os EUA não têm a pretensão de chegar a conclusões definitivas que esclareçam o evento.

Caixa-preta

Após as caixas-pretas serem entregues pelos separatistas às autoridades malaias, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, afirmou hoje que o material também será analisado por uma equipe britânica especializada em acidentes aéreos.

Aceitamos o pedido da Holanda para que os investigadores de acidentes aéreos de Farnborough recuperem a informação das caixas-pretas do voo MH17 para sua análise internacional”, anunciou Cameron em mensagem em sua conta no Twitter.

Também hoje, o presidente norte-americano, Barack Obama, visitou a embaixada da Holanda para oferecer seus pêsames pelas vítimas do avião da Malaysia Airlines. Obama garantiu que os dois países trabalharão em conjunto “até que se faça justiça”.

Fonte: Opera Mundi

Caso MH17: as investigações nem foram concluídas, mas a mídia “vidente” já anuncia a culpa de Putin

Chega a dar desgosto, chega a dar pena. A grande mídia já alardeia a culpa de Putin: o avião foi abatido por um míssil russo, afirma, sem duvida alguma, como se estivesse com todas as provas em suas mãos. Onde foi provado que o míssil era mesmo russo? Nos vídeos mostrando que talvez os separatistas o tinham em sua posse? Isso, para mim, não prova que o míssil atingiu o avião. Para mim e para qualquer um com um pouco de clareza e discernimento.

Este blog não é esquerdista, comunista, pró-Russia ou qualquer coisa parecida. Apenas a favor da verdade. E a verdade requer provas antes de ser divulgada. Podem ter sido os separatistas, com armamento fornecido pelos russos? Podem. Aliás, acredito mesmo que seja provável. Mas vamos esperar o resultado das investigações para afirmar isso com segurança, certo?

De um lado, os EUA afirmam possuírem fotos provando que o míssil foi disparado pelos rebeldes. O general russo Andrei Kartapolov já desafiou os EUA a mostrarem essas fotos `a comunidade internacional. Do outro lado, os russos afirmam que um caça ucraniano sobrevoava a região a uma distancia de apenas 3 a 5 km do avião, em sua direção. A palavra de um contra o outro, mas a mídia resolveu fazer o papel de tribunal internacional e apontar os culpados antes mesmo dos investigadores oficiais do caso. E, como mídia, me refiro a importantes veículos de comunicação.

Pessoalmente, considero plausível a versão dada por um especialista, do qual não me recordo o nome agora, dizendo que, provavelmente o alvo do suposto míssil era, na verdade, um avião militar ucraniano, que conseguiu escapar do míssil que, então, foi atraído pelo calor da turbina do MH17.

Por outro lado, qual seria a utilidade de um grupo separatista fazer um atentado desse tipo, sem assumir a autoria? Qual seria a utilidade deste fato para o Putin, que, depois do acontecido, e mesmo sem as conclusões oficiais, já começou a receber sanções a seu país? Por essas e outras que qualquer teoria precisa de provas para ser confirmada.

A Dilma, candidata não defendida por este blog, que fique bem claro, relutou em tomar conclusões precipitadas e foi logo atacada por colunista da revista Veja, colunista que, diga-se de passagem, admiro. Fiz um comentário em sua coluna criticando sua posição e, claro, o mesmo não foi publicado. Somente foram publicados comentários a favor do que estava escrito. Estranho, não? Achei que a mídia deveria ser imparcial, mas há muito tempo já sabemos que não é assim. Apenas imaginei que não fosse ficar tão na cara. Abaixo, as fotos que mostram a censura de meu comentário.

Meu comentário, como Carla, aguardando moderação. Comentários postados depois do meu já tinham sido publicados.

Meu comentário, como Carla, aguardando moderação. Comentários postados depois do meu já tinham sido publicados.

Posteriormente, meu comentário foi apagado e os comentários defendendo a matéria continuaram.

Posteriormente, meu comentário foi apagado e os comentários defendendo a matéria continuaram.

Se alguém não se lembrar sobre o episódio da Síria, que citei em meu comentário, basta ler o post publicado neste mesmo blog, aqui.

Se alguém quer saber mais sobre os assentamentos ilegais de Israel na Palestina, apoiados pelos EUA, também citado no comentário, pode ler aquiaqui.

Novamente, não estamos aqui defendendo Putin, que foi da KGB, mas estamos, sim, defendendo a verdade. Muitos podem dizer que, entre Putin e os EUA, claro que vão acreditar nos EUA, afinal, são sempre os bonzinhos e heróis da história. Que tal lembrarmos que os EUA já utilizaram armas químicas no Vietnã, fornecem equipamentos bélicos a grupos rebeldes e invadiram o Iraque com base na justificativa falsa de que o país guardava armas de destruição em massa? A essas pessoas que ainda acreditam na bondade ocidental, tenho apenas uma coisa a dizer: parem de assistir a filmes como Independence Day e comecem a ler a mídia de verdade, que apura os fatos antes de publicá-los.

“Criaturas não-humanas controlam o mundo”, diz ex-executiva do Banco Mundial

Você deve se lembrar de Paul Hellyer, ex-Ministro da Defesa do Canadá, que falou publicamente que raças de ETs colaboram com o governo americano, relembre aqui. Agora, quem vem fazer coro às declarações de que outras raças não-humanas estão operando na Terra é Karen Hudes, ex-executiva do Banco Mundial (World Bank), de onde foi demitida por denunciar corrupção na instituição.

Karen trabalhou no departamento jurídico do Banco Mundial por 20 anos, o que a colocou em uma posição privilegiada para obter informações sobre os esquemas que governam o mundo. Antes disso, estudou Direito na Universidade de Yale e Economia na Universidade de Amsterdam.

Em entrevista recente, cujos vídeos estão abaixo, Karen afirma que seres da raça Homo capensis controlam o Vaticano. Disse também que todo maçom que chega ao grau 33 descobre que Moisés e Akenaton eram o mesmo ser, e que, na verdade, Moisés era um Homo capensis. Segundo Karen, há provas em DNA da existência desses seres, o que poderia ser confirmado pelos recentes estudos dos crânios alongados do Peru, que demonstraram material genético desconhecido, não encontrado em humanos, veja aqui.

As informações podem soar absurdas para alguns, mas esclarecedoras para outros. Assista e tire suas próprias conclusões. Vídeos em inglês, com legendas em espanhol.

Construindo a encenação de “protestos” antigoverno na Venezuela

Muitas fotos que circulam nas redes sociais são, na verdade, tiradas de outros protestos pelo mundo.

A política polarizada da Venezuela está novamente na mídia com manifestações pró e antigoverno e, até agora, quatro mortos: um apoiador do governo; um manifestante da oposição; um policial; e um de origem incerta.

Mas a imprensa internacional está noticiando tudo como se fosse evidência de uma repressão sangrenta do governo.

Sem querer ser repetitivo, pelo menos muito, mas esta crise fabricada é uma reedição. Alguém se lembra das manifestações/contramanifestações no Palácio Miraflores em 2002, a preparação para um golpe de vida curta contra Hugo Chávez?

Houve 19 fatalidades naquele dia. Sete dos mortos estavam na manifestação pró-Chávez; sete na manifestação anti-Chávez; e cinco eram espectadores não-partidários. Houve também um total de 69 feridos, naquele dia. 38 na manifestação pró-Chávez, 17 na manifestação da oposição, e 14 eram repórteres ou passantes.

Tudo isso foi atribuído como culpa do Chávez, pela oposição e pela maioria da imprensa internacional. Supostamente ele teria ordenado aos militares e a capatazes pró-Chavez não identificados que atirassem contra os manifestantes opositores. Como nos tumultos atuais, parece que o lado do governo tem uma mira péssima.

Parece não haver nem sinal de objetividade da imprensa internacional no que se refere à Venezuela. O país é uma dura ameaça à ordem hegemônica, caracterizada hoje por Estados Latino-Americanos domesticados, emergendo de ditaduras militares apoiadas pelos EUA, e aceitando políticas econômicas neoliberais como bons meninos e boas meninas. Com petróleo suficiente para dizer Não a tudo isso, a Venezuela criou sua própria parceria contra-hegemônica, a ALBA-TCP. E, domesticamente, enquanto só se ouve falar de falta de papel higiênico e inflação, está havendo avanços substanciais em várias frentes há vários anos – uma nítida redução na extrema pobreza, grandes avanços na educação, redução da mortalidade infantil, e passos rápidos tem sido dados na direção da igualdade de gênero, saúde materna e proteção ao meio ambiente.

Você não lerá muito sobre isso na grande mídia internacional.

Em vez disso, ouviremos falar sobre queixas da oposição de todos os tipos, e veremos imagens circulando no Twitter e destacadas por grandes veículos como a CNN.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-1

Aqui vemos policiais brutais, com belos chapéus e golas de pele para se proteger do frio de 24º C de Caracas, acredito.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-2

E policiais da Bulgária fazendo uma visitinha.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-3

E um acidente. Mas a vítima era um manifestante chavista, e a foto foi tirada no ano passado.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-4

Aqui, uma foto tirada na Argentina, que foi republicada.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-5

E uma foto do Chile.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-6

Aqui, um cara azarado: foi baleado em Abril e depois no mesmíssimo lugar, durante os protestos atuais.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-7

Esta é icônica!! Mas a CNN teve de admitir que a foto foi originalmente tirada em Cingapura.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-8

Aqui, uma da Grécia.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-9

Aqui, um roubo sem-vergonha de uma foto do Egito, que ficou famosa durante a Primavera Árabe.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-10

Aqui, uma foto de cortar o coração mostra bebês em cestos de lavanderia, com a pergunta: “Que tipo de revolução é esta?”. Mas a foto é de Honduras.

Fake-Venezuela-Protest-Photo-11

Aqui, minha favorita: uma procissão religiosa, encarnada como protesto antigoverno.

As mídias sociais, que viralizam esse tipo de coisa e até atraem a grande mídia como a CNN, também são os meios pelos quais os farsantes são rapidamente desmascarados. Os leitores estão convidados a contribuir com mais links sobre esta cavalgada internacional de protestos antigoverno e de brutalidade, na terra do faz de conta chamada Venezuela.

Fonte: Global Research

Ataque químico na Síria em agosto passado não foi obra do exército sírio

Lembram-se do ataque com armas químicas na Síria, em agosto passado, que deixou mais de mil mortos, entre os quais muitas crianças? Parte do mundo ocidental responsabilizou o exército sírio pelo feito, mesmo sem provas, em uma tentativa de justificar uma possível intervenção no país. A ONU falhou em apresentar provas, e agora um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts concluiu que os mísseis com sarin não podem ter sido disparados pelas forças sírias.

ng2721237

Foto: FP PHOTO/HO/SHAAM NEWS NETWORK/DAYA AL-DEEN

Segundo o professor Theodore Postol e o ex-inspetor da ONU Richard Lloyd, as munições eram improvisadas e tinham alcance de 2 quilômetros. Entretanto, as forças armadas da Síria se encontravam a uma distância muito maior do alvo.

Para quem acha que essas coisas só acontecem no Brasil – entenda o Obamacare

Criação de taxas absurdas, políticos que não pagam impostos, serviços precários. Ah, mas essas coisas não acontecem no Primeiro Mundo. Afinal, no Primeiro Mundo, o governo é pelo povo, o serviço de saúde funciona, todo mundo é honesto e não há corrupção. Hã?

Não é bem assim. Basta entender direito o que grande parcela da população pensa sobre o Obamacare, apelido para o Affordable Care Act, o novo “plano de saúde americano”, que vem sendo tão discutido ultimamente nos EUA. Para ajudar, posto aqui um vídeo que explica o Obamacare de maneira bem sintética, em 60 segundos. Como está em inglês, segue também tradução livre feita pelo Pequena Dúvida.

“Os americanos estão prestes a ser ‘presenteados’ com o Affordable Care Act, Obamacare, o plano de saúde que seremos forçados a comprar – e multados se não comprarmos – que cobre 10 milhões a mais de pessoas sem a adição de um único médico novo, mas com 16 mil novos agentes da IRS (fiscais responsáveis pelo recolhimento de taxas), escrito por um comitê cujo diretor não entende o Ato, aprovado por um Congresso que não leu o Ato, mas se exclui dele, e assinado por um presidente que fuma, com fundos administrados por um chefe do Tesouro que não paga impostos, um Ato para o qual seremos taxados quatro anos antes de ter qualquer benefício, por um governo que faliu o Social Security e o Medicare, tudo para sermos consultados por um Cirurgião Geral que está obeso e é financiado por um país que está quebrado!!

O que poderia dar errado?”