Rádio independente síria entrou hoje no ar

Inaugurou hoje a Radio Rozana, rádio síria sediada em Paris criada para responder à necessidade de informações confiáveis e jornalismo imparcial e independente neste momento que a Síria está vivendo. Nos últimos dois anos, cerca de 80 jornalistas já foram mortos no conflito, e o jornalismo virou uma atividade perigosa.

Primeiro, a rádio será transmitida pela internet aqui e, mais tarde, se tudo der certo, via satélite.

Isso lembra a rádio que a resistência usava para se comunicar no Exterminador do Futuro, no tempo futuro. Mas espero que a realidade síria ainda esteja bem longe daquela da ficção.

Anúncios

A Teoria da Conspiração estava certa

Há muito tempo que blogs e veículos alternativos afirmam que os EUA espionam cidadãos monitorando sua atividade na web e registros telefônicos, no que sempre foi taxado de Teoria da Conspiração.

O próprio blog Pequena Dúvida já foi rotulado pelo FB como “não confiável”, o email do blog já sofreu duas tentativas de invasão (uma dos EUA e uma de Kuala Lumpur), bem como a conta do FB e, olhando o histórico de visitas do blog, há usuários que visitam a página sistematicamente vindos de Mountain View, California, e Redmond, Washington (ambas cidades-sede da Microsoft). Pode ser coincidência? Pode.

Visita de Mountain View, California.

Pequena Dúvida recebe visita de Mountain View, California.

Mountain View é sede de empresas como a Microsoft.

Mountain View é sede de empresas como a Microsoft.

Visita de Redmond, Washington.

Pequena Dúvida recebe visita de Redmond, Washington.

Redmond também é sede da Microsoft.

Redmond também é sede da Microsoft.

O fato é que aparece a confirmação sobre a espionagem, e vem mais por aí. Que sirva, ao menos, para que as pessoas olhem essas “teorias” com outros olhos.

A inversão dos pólos está acontecendo. E rápido.

Os pólos magnéticos podem estar se invertendo mais rápido do que se esperava. O pequisador Mr. Maverick Star percebeu que o pólo norte se moveu 161 milhas em apenas 6 meses. Neste ritmo, o pólo norte estará na Sibéria em menos de dois anos. Ele prevê que, neste momento, os pólos devem sofrer uma brusca inversão, cruzando a Linha do Equador. Isso vem depois das notícias do aparecimento de buracos no campo magnético terrestre e da mudança de pistas do Aeroporto de Tampa, na Flórida, em resposta à mudança do pólo magnético.

A aceleração fica clara quando consideramos que, no início dos anos 1900, o pólo norte se deslocava a uma velocidade de 15 km/ano. Depois, em 2007, verificou-se que a velocidade era de 55 km a 60 km/ano. E, agora, parece que aumentou de novo.

Pólo norte está se movendo mais rápido.

Pólo norte está se movendo mais rápido.

Pólo sul também está se deslocando.

Pólo sul também está se deslocando.

Gráfico mostra aceleração da mudança dos pólos.

Gráfico mostra aceleração da mudança dos pólos.

Para quem não está familiarizado com o tema, o planeta terra tem dois pólos magnéticos: o pólo norte e o pólo sul. A cada 200 mil ou 300 mil anos, ocorre uma inversão das polaridades, e o pólo norte vira sul e vice-versa, bruscamente falando. Acontece que já está em tempo de uma nova inversão magnética, já que a última ocorreu há cerca de 800 mil anos.

Efeitos da inversão magnética

Efeitos da inversão magnética.

As consequências de uma nova inversão dos pólos podem ir de um tilte geral em satélites desordenando toda a vida nas cidades, migrações desnorteadas de animais, enfraquecimento do campo magnético terrestre (que é o que evita que sejamos torrados pela radiação solar) até deslocamentos continentais, tsunamis e outras hecatombes. Há quem diga que extinções anteriores podem ter sido causadas pela inversão magnética, apesar de que o Homus erectus, por exemplo, sobreviveu a isso.

Existem mapas sugerindo uma nova configuração dos continentes depois da inversão magnética.

Existem mapas sugerindo uma nova configuração dos continentes depois da inversão magnética.

Até hoje, não se identificaram as causas das inversões magnéticas, mas as teorias vão desde movimentações no núcleo terrestre até a passagem de um corpo celeste como Nibiru.

Veja, no vídeo abaixo, as explicações do pesquisador.